12 coisas que queremos ver na NFL em 2019

Segundo ano de Patrick Mahomes II

Foto: reprodução/Twitter/@Chiefs

Um ano como QB titular, 50 TDs, 5.097 jardas, rating de 113,8, MVP… Os números de Patrick Mahomes II em 2018 foram um absurdo e nos fazem pensar se é possível o QB do Kansas City Chiefs ter uma temporada melhor. Coordenadores defensivos têm 16 partidas do camisa 15 para ver e rever, então a tendência é que isso não se repita, o que não significa que os Chiefs não chegam para brigar pelo título. Depois de 2018, é Super Bowl ou nada para KC. Patrick agora é o rosto da franquia (e do jogo “Madden 20”), uma vez que Justin Houston e Eric Berry, ícones do time em quase dez anos, se foram.


Nick Foles nos Jaguars

Foto: reprodução/Facebook/Jacksonville Jaguars

MVP do Super Bowl 52, Nick Foles finalmente tem um contrato gordo e um time para chamar de seu. O atleta assinou com o Jacksonville Jaguars por quatro anos e US$ 88 milhões; nos oito anos anteriores, Foles ganhou “só” US$ 31 milhões. Com uma defesa recheada de talentos e um ataque sem grandes alvos para o passe, mas que conta com Leonard Fournette, a franquia da Flórida espera que o camisa 7 – que é, sem dúvidas, melhor do que Blake Bortles – possa reconduzir a equipe de volta aos playoffs. A janela do Super Bowl é implacável e os Jaguars estão à espera do terceiro milagre de Foles.


Como será o 2019 do Cleveland Browns?

Foto: reprodução/Facebook/Cleveland Browns

Depois das sete vitórias de 2018, o Cleveland Browns está empolgado. Com razão. A franquia foi ao mercado e fez a maior contratação desta intertemporada ao acertar com Odell Beckham Jr., nome que reforça o ataque, marketing do clube, venda de camisas… Kareem Hunt cumpre suspensão de oito jogos antes de estrear, os veteranos Sheldon Richardson e Olivier Vernon vão ajudar a desafogar Myles Garrett na linha defensiva, e na secundária, Greedy Williams é o nome a ser observado. Muita gente tem colocado Cleveland nos playoffs e até como campeão da AFC Norte. Será?


Colts sem Luck

Foto: reprodução/Twitter/@Colts

Com Andrew Luck jogando como um MVP, uma boa linha ofensiva e uma defesa sólida, liderada pelo melhor calouro de defesa em 2018, o Indianapolis Colts era favorito na divisão e candidato a aprontar nos playoffs. Era? Na noite de 24 de agosto, Luck chocou o mundo da bola oval ao anunciar sua aposentadoria. Menos mal que o time já tem um substituto imediato: Jacoby Brissett. Em 2017, Brissett assumiu a equipe na ausência de Luck e foi OK para um reserva recém-chegado. A boa notícia é que o elenco atual é melhor e comandado por Frank Reich. A batalha pela AFC Sul ficou mais aberta.


49ers deram azar em 2018. E em 2019?

Foto: reprodução/Instagram/@49ers

2019 é um ano crucial para Mike Shanahan e John Lynch. Depois de duas temporadas prejudicadas por um elenco fraco (2017) e pela contusão de Jimmy Garoppolo (2018), o San Francisco 49ers espera dar a volta por cima. No papel, há potencial. Os RBs Tevin Coleman, Matt Breida, Jerick McKinnon (quando ele voltar) e o FB Kyle Juszczyk dão a Shanahan um vasto leque de opções, sem deixarmos de lado George Kittle. Na defesa, o trio formado por DeForest Buckner, Dee Ford e Nick Bosa é a esperança de que o clube terá um pass rush de respeito. Olho no segundo ano do linebacker Fred Warner.


Última chance para Jason Garrett?

Foto: reprodução/Instagram/@dallascowboys

Depois de oito temporadas e meia, Jason Garrett está no último ano de seu contrato e sem uma renovação à vista. Embora Garrett seja quase parte da família Jones, o Dallas Cowboys prefere esperar para ver como será 2019 antes de tomar uma decisão. Não é a primeira vez que Jason se encontra nesta situação. Em 2014, após três 8-8 seguidos, o treinador venceu 12 jogos, foi aos playoffs e garantiu uma extensão. A história vai se repetir? A história também pode se repetir da seguinte forma: desde 2014, os Cowboys só vão aos playoffs em anos pares. 2019 é ímpar.


AB x Jon Gruden x Raiders

Foto: Matt Aguirre/Raiders

Antonio Brown ainda nem estreou oficialmente pelo Oakland Raiders e já dá dores de cabeça para seu novo clube. No entanto, tudo terá valido a pena se o recebedor fizer o que se espera deles: recepções e touchdowns. 4-12 em 2018, os Raiders esperam dar adeus à Califórnia com uma campanha positiva, e embora bons nomes tenham chegado e exista a expectativa de vários calouros contribuírem imediatamente, Oakland tem dois candidatos ao Super Bowl como rivais de divisão. Derek Carr leva esta equipe aos playoffs ou entra para a lista de astros trocados por Jon Gruden?


Despedida de Larry Fitzgerald

Foto: reprodução/site oficial dos Cardinals

Aos 36 anos, Larry Fitzgerald ainda não está pronto para pendurar as chuteiras. O WR renovou com o Arizona Cardinals por mais uma temporada, aquela que pode ser sua última. Mesmo com QBs como John Skelton, Ryan Lindley e Drew Stanton, o camisa 11 nunca deixou de ser uma ameaça e somou bons números. São 15 anos de Fitzgerald nos Cardinals – ao custo de US$ 163 milhões, vale frisar –, uma fidelidade que poderia ter sido acompanhada do anel de campeão. Que em 2019 ele tenha mais sorte com Kyle Murray, mas as chances de título são muito remotas.


Oito novos treinadores no pedaço

Foto: reprodução/site oficial dos Packers

Em 2018, sete equipes abriram a temporada com novos técnicos; em 2019, serão oito. São eles: Matt LaFleur (Packers), Bruce Arians (Buccaneers), Vic Fangio (Broncos), Zac Taylor (Bengals), Kliff Kingsbury (Cardinals), Brian Flores (Dolphins), Adam Gase (Jets) e Freddie Kitchens (assumiu os Browns de maneira interina e foi efetivado no cargo). A “desaposentadoria” de Arians, naturalmente, se destaca, mas estou curioso para ver os trabalhos de LaFleur com Aaron Rodgers, Gase com Sam Darnold e Le’Veon Bell nos Jets, e Fangio com a defesa do Denver.


A cartada final de O’Brien

Foto: Zach Tarrant/Texans

Às vésperas da temporada começar e dias após Andrew Luck pendurar as chuteiras, o Houston Texans decidiu dar uma chacoalhada na NFL. Em questão de horas, a franquia trouxe Carlos Hyde, Kenny Stills, Laremy Tunsil, Barkevious Mingo e Jacob Martin; em troca, se foram Jadeveon Clowney (com quem o time não estava muito interessado em renovar), Martinas Rankin, Johnson Bademosi, Julien Davenport, DUAS escolhas de 1ª rodada e uma de 2ª rodada. É um preço alto que o técnico (e meio que GM) Bill O’Brien paga para tentar vencer agora e arrumar a OL ao mesmo tempo.


Bills e Jets melhoram; já os Dolphins…

Foto: reprodução/Instagram/@nyjets

O reinado do New England Patriots na AFC Leste não dá sinais de terminar, mas isso não significa que New York Jets e Buffalo Bills não possam pegar as sobras. Com uma boa defesa, Buffalo reforçou o ataque em torno do segundo anista Josh Allen ao trazer Mitch Morse, John Brown e Cole Beasley, e recrutar Cody Ford (OL). Na Big Apple, os Jets se reforçaram com C.J. Mosley, Quinnen Williams e, claro, o RB Le’Veon Bell; as expectativas para o segundo ano de Sam Darnold são enormes. O Miami Dolphins, por outro lado, está focado na 1ª escolha do draft de 2020.


Troca de bastão nos Giants?

Foto: reprodução/Instagram/@nygiants

Houve um tempo em que o torcedor nova-iorquino mais feliz era o que torcia pelo New York Giants. Esse tempo se foi. Os Blues estão em processo de reconstrução, sim, mas o único ele entre os Giants de ontem e os Giants de hoje é Eli Manning. O quarterback de 38 anos perdeu seu principal recebedor, só que ganhou uma ajuda de leve na furada OL com a vinda de Mike Remmers e Kevin Zeitler. Resta saber se o homem que venceu Tom Brady duas vezes no Super Bowl terá tempo no pocket ou quanto tempo ele terá antes de dar lugar a Daniel Jones, que fez uma boa pré-temporada.

Anúncios