Cornetadas da Semana 11 da NFL

* Giants, Packers, Seahawks e Titans não jogaram.

Browns vencem e Browns perdem
Cleveland Browns 21 x 7 Pittsburgh Steelers

A gente quer falar da briga no final do jogo, mas precisa falar de futebol. Agredido com o próprio capacete por Myles Garrett, Mason Rudolph não deu nenhuma chance para os Steelers no TNF. Sem James Conner e JuJu Smith-Schuster, contundidos durante o duelo (Diontae Johnson também saiu após a falta que levou à expulsão de Damarious Randall ), Rudolph acabou interceptado quatro vezes e foi presa fácil para uma defesa inspirada dos Browns, mesmo sem seus dois safeties; destaque para o LB Joe Schobert (dez tackles, duas interceptações e um sack). Cleveland segue vivo, apesar de Garrett.


Antes tarde do que nunca, Falcons
Carolina Panthers 3 x 29 Atlanta Falcons

Uma semana após chocar a NFL ao derrotar os Saints, os Falcons aprontaram de novo. Diante dos Panthers, Atlanta teve uma atuação livre de erros e extremamente eficiente. Matt Ryan teve números modestos para o seu padrão (21/31, 311 jardas e um TD), mas teve ajuda do time de especialistas, com um belo TD de retorno de punt de 78 jardas de Kenjon Barner, e da defesa, que pressionou Kyle Allen e o interceptou quatro vezes – já são nove interceptações do QB desde a folga na Semana 7. Agora é observar para saber se a “nova defesa” dos Falcons só chegou atrasada para a festa ou é fogo de palha.


DAK for the win
Detroit Lions 27 x 35 Dallas Cowboys

Se o aquecimento pré-jogo à la “Rebolation” – “descoberto” na rodada passada – de Dak Prescott o ajuda a ir bem nas partidas, então que ele aqueça assim sempre. O camisa 4, cujo contrato acaba ao final desta temporada, diga-se, transformou os Cowboys em um time que passa a bola melhor do que corre, e terminou o dia com 444 jardas (terceira vez em 2019 que ele supera as 400 jardas) e três TDs. Surpreendentemente, vimos um duelo de gato e rato porque os Lions, sem Matthew Stafford, mantiveram-se vivos com “big plays” do reserva Jeff Driskel.


Colts marcham em direção a um TNF épico
Indianapolis Colts 33 x 13 Jacksonville Jaguars

Nada parou os Colts no domingo. Foram 264 jardas terrestres para o clube de Indiana, 109 de Marlon Mack, que marcou um TD, e 116 de Jonathan Williams. Jacoby Brissett e Nyheim Hines também anotaram um TD cada e até Quenton Nelson teve sua chance na linha de 1 jarda, mas não conseguiu entrar na end zone. O sucesso pelo chão aliviou a pressão em Brissett, que acaba de se recuperar de uma lesão no joelho. Nos Jaguars, é inexplicável a decisão de correr com Leonard Fournette só cinco vezes no 1° tempo. O próximo TNF, entre Colts e Texans, vale a liderança da AFC Sul.


Josh Allen para a “arracanda” dos Dolphins
Miami Dolphins 20 x 37 Buffalo Bills

Já falamos que Josh Allen é a montanha-russa humana. Às vezes ele quebra, às vezes ele é o melhor brinquedo do parque. No domingo, vimos a segunda versão. O camisa 17 passou ileso na fila dos turnovers, lançou três TDs (dois de John Brown, autor de nove recepções e 137 jardas) e ainda castigou os Dolphins com as pernas, correndo para 56 jardas e um TD. Esta talvez tenha sido a melhor atuação da sua carreira. Esta evolução é necessária se Buffalo não quiser chegar aos playoffs só para cair no primeiro jogo, isto é, SE chegar aos playoffs (Bills ainda encaram Cowboys, Ravens e Patriots).


Lamar se isola na briga com Russell
Baltimore Ravens 41 x 7 Houston Texans

Sabe aquele papo de que Russell Wilson está na frente de Lamar Jackson na briga pelo MVP? Talvez não seja mais o caso. O camisa 8 matou a defesa dos Texans com o braço (quatro TDs) e com as pernas, e nos mostrou por que é um dos melhores corredores da liga, independentemente da posição – Deshaun Watson parecia um boneco de Olinda perto dele. O foco fica em cima de Lamar, mas é preciso destacar o trabalho da defesa do Baltimore. Watson não teve paz, foi constantemente pressionado e ficou zerado no 1° tempo pela primeira vez na carreira. Aspirante a playoffs, Houston foi atropelado.


SKOL! SKOL! SKOL! SKOL!
Minnesota Vikings 27 x 23 Denver Broncos

Com uma NFC extremamente competitiva, temos cinco clubes na briga pelas folgas na rodada de wild card dos playoffs, e os Vikings estão inclusos no grupo. Sem conseguir fazer nada no 1° tempo – foram apenas duas primeiras descidas –, Minnesota foi para os vestiários perdendo por 20 x 0. Na 2ª etapa, Kirk Cousins e companhia fizeram o que parecia muito, muito difícil: quatro TDs em quatro campanhas. E olha que Denver teve a posse por mais de 17 minutos! Para fechar a maior virada do ano, a defesa viking não cedeu em três jogadas dos Broncos na linha de 4 jardas no finalzinho.


Jets vencem a segunda seguida 
Washington Redskins 17 x 34 New York Jets

Os Redskins não são exatamente o que nós chamamos de “oponente formidável”, mas quatro passes para TD fazem bem para a autoestima de qualquer um. Sam Darnold fez um bom jogo, completou 63% dos passes para 293 jardas e ajudou os Jets a baterem a marca de 400 jardas de ataque pela primeira vez em 20 partidas. Com um pouco mais de confiança no ataque, New York pode atrapalhar os planos de playoffs dos Raiders na Semana 12. Na defesa, outra bela partida de Jamal Adams, com três sacks em Dwayne Haskins – Washington é o pior time da NFC.


Mais quatro interceptações na conta de Jameis
Tampa Bay Buccaneers 17 x 34 New Orleans Saints

A chocante derrota para os Falcons na semana passada parece ter sido só um tropeço dos Saints mesmo. Drew Brees passou para 228 jardas e três TDs, Alvin Kamara voltou a ser um fator decisivo, com 122 jardas ofensivas, Michael Thomas foi Michael Thomas (dez recepções, 114 jardas e um TD) – é o primeiro WR com mais de 90 recepções (são 94) nas dez primeiras partidas da temporada – e a defesa interceptou Jameis Winston quatro vezes. O camisa 3 dos Buccanners tem 18 interceptações – que resultaram em 72 pontos (quatro “pick six”) para os rivais – e lidera a NFL no quesito.


Vitória nervosa para os 49ers
San Francisco 49ers 36 x 26 Arizona Cardinals

Vindo de uma dolorida derrota no MNF, San Francisco dava indícios de uma ressaca ao não conseguir correr com a bola e ver Arizona abrir 16 x 0, mas Jimmy Garoppolo levou um Engov para a partida e, apesar de duas interceptações que foram sua culpa, botou o time nas costas. Foram 20 primeiras descidas via passe, e Jimmy G. anotou números recordes na carreira (34/45, 424 jardas e quatro TDs). A defesa brilhou no fim, parou Kyler Murray e forçou um fumble para garantir a vitória. O triunfo é importantíssimo para os 49ers porque a sequência pela frente é brutal: Packers, Ravens e Saints.


Geração de ouro dos Raiders
Oakland Raiders 17 x 10 Cincinnati Bengals

A classificação não contabiliza vitória bonita e vitória feia, toda vitória é uma vitória. Os Raiders estão 6-4, podem empatar na liderança da AFC Oeste se vencerem os Jets e aí decidem a vida contra os Chiefs na Semana 13. O destaque vai, de novo, para a geração de calouros do Oakland, que lidera a NFL na temporada em TDs (14), jardas totais de ataque (1.676), jardas terrestres (937), recepções (73) e sacks (dez; quatro de Maxx Crosby nesta rodada). Ótimo trabalho do GM Mike Mayock. Nos Bengals, Andy Dalton acabou jogado do penhasco a troco de nada; Ryan Finley não vai fazer milagres.


Patriots vão sobrevivendo
Philadelphia Eagles 10 x 17 New England Patriots

Com um jogo terrestre que está devendo (só o 24° melhor da NFL), uma linha ofensiva que não passa confiança, recebedores questionáveis e diversos passes errados, vários quase interceptados, o ataque dos Patriots não vive um bom momento. O melhor passe da noite saiu da mão de Julian Edelman. A boa notícia para New England é que a defesa vive um ótimo momento. Carson Wents sofreu com a saída de Lane Johnson; segundo o Next Gen Stats, foram cinco sacks em 13 dropbacks sem o RT na linha e nenhum em 12 dropbacks com o RT. Os Eagles agora torcem pelos Pats, que encaram os Cowboys.


Gurley ainda joga nos Rams
Los Angeles Rams 17 x 7 Chicago Bears

Sem Brandin Cooks e Robert Woods, os Rams recorreram a um velho conhecido para desafogar Jared Goff e Cooper Kupp: Todd Gurley II. O MVP do time em 2018 anotou 133 jardas totais e 28 toques na bola, suas melhores marcas na temporada. A dúvida é se Sean McVay acionou o RB por falta de peças ou se esta mudança veio para ficar. Nos Bears, o time não aproveitou dois turnovers dos Rams no começo do jogo: Eddy Pineiro errou o FG de 48 jardas, perdeu a bola ao não converter uma 4ª para 9 (seria um FG de 49 jardas) e depois Pineiro errou um FG de 47 jardas. Não foi um SNF bonito.


Chargers têm decisões pela frente
Los Angeles Chargers 17 x 24 Kansas City Chiefs

No lendário estádio Azteca, no México, Philip Rivers deu um show. De interceptações. Foram quatro, mas deveriam ter sido cinco se Tyrann Mathieu não tivesse “dropado” a bola, e duas delas encerraram as campanhas finais dos Chargers – a última, aliás, ficou nas mãos de Daniel Sorensen dentro da end zone. Esta foi a 7ª derrota do Los Angeles, a 7ª por uma posse de bola de diferença. Com o contrato de Rivers chegando ao fim, os Bolts têm decisões para tomar pela frente. No KC, Patrick Mahomes II não estourou, mas resolveu as coisas com as pernas e com o braço… de Rivers.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s